Bandeira branca a Slimane

Ano novo, paz na Terra! Dizem que 2020 já começou há um mês, mas por aqui começa agora, e acho começar com paz um bom propósito.

Com uma nova maratona de Fashion Weeks (de 06/02 a 04/03 – NY, Londres, Milão, Paris), achei por bem falar um pouco da nova Celine de Slimane – coisa que quero comentar há tempos – e não quero que se perca no muvuco das novidades do próximo Inverno hemisfério norte.

Eu que tanto levantei a bandeira “please Phoebe Philo come back”, juntando-me a uma longa lista de órfãos da estética da Céline que aprendemos a amar… aqui me venho confessar!

Começo a gostar da estética e imagem que Slimane está a desenhar para a Celine sem acento (pasmem e julguem-me!). Acho que os haters – em que me incluo, nunca escondi – têm que dar a mão à palmatória. Acho que Hedi Slimane amadureceu o seu caminho desde a primeira coleção. Não foi só o acalmar dos ânimos e da indignação que me fez mudar o ponto de vista. Com o tempo tudo se acomoda, é certo. Sabia que esse dia iria chegar. Chegou.

Sabia desde o início que a marca nunca mais voltaria a ser a mesma! Como nenhuma marca o foi depois de mudar de Diretor Criativo! Qualquer uma! No caso de Celine acho que foi mais a sensação de perda e morte de uma etiqueta que mudou a forma de estar de tantas mulheres. Aqui a mudança representava nitidamente a morte. Acho que todos nós nos sentimos traídos e de luto. “Oh Destino Cruel!”

O tempo tudo acomoda… e tudo acerta. Os órfãos aos poucos vão encontrando consolo noutros lares, e uma nova porta se abre para outras mulheres.

Acho que há uma mulher para esta estética “New Celine”. Acho que há um mundo em que cabe esta mulher.
O tempo tudo acomoda, as coisas vão-se acalmando e ganhando o seu lugar… e quando começamos a ter alternativas à Old Céline – como Bottega Venetta por Daniel Lee, pupilo de Phoebe, mas não só porque na verdade acho que o estilo Old Celine proliferou – talvez haja espaço para o perdão e a cedência…

Mas repito! Acho que não foi só a calmaria do tempo… acho que no último desfile e com a coleção Resort, Hedi afrontou os seus haters com um novo rumo, caminho e estética… um mix de encontros dos dois lados! Porque o tempo tudo acomoda… para ambas as partes!…

A menina Rocker deu lugar à mulher urbana, ainda que young & cool, de estilo retro, que cruza os anos 70 com os 90,
Com tanta simplicidade quanto segurança de se assumir como é.

Agora está na altura – perdoem-me a ousadia – da própria Phoebe seguir em frente e deixar a nostalgia de uma etiqueta que já não carrega seu nome. Nunca esqueceremos o seu legado e estaremos sempre do seu lado, ansiosos por novos projetos. Mas acho deprimente ao fim de todo este tempo ainda respirar a sua Old Celine diariamente na sua conta de Instagram, que só ganhou nova cor com o apoio incondicional à New Bottega!

Fotos via Vogue Runway todas da coleção Resort “New” Celine por Hedi Slimane.

Enjoy yourself!

What's your reaction?

Deixe seu comentário